Agnaldo pede restituição e redução de taxas descontadas dos policiais

17/10/1999 / [14h:12m] - O vereador Agnaldo Nepomuceno (PFL) disse ter sido bastante significativa a atitude do deputado federal, Sérgio Carvalho (PSDB), em denunciar a situação de penúria em que se encontram os soldados e cabos da Polícia Militar de Rondônia. Para o vereador, é lamentável que exercendo atividades de alto risco essa categoria tenha como salário referencial apenas R$ 48,76, quando outras instituições, inclusive os policiais civis do estado, têm como base o salário mínimo.

O vereador Agnaldo Nepomuceno (PFL) disse ter sido bastante significativa a atitude do deputado federal, Sérgio Carvalho (PSDB), em denunciar a situação de penúria em que se encontram os soldados e cabos da Polícia Militar de Rondônia. Para o vereador, é lamentável que exercendo atividades de alto risco essa categoria tenha como salário referencial apenas R$ 48,76, quando outras instituições, inclusive os policiais civis do estado, têm como base o salário mínimo.

Por ser um representante dos PMs, Agnaldo informou também que considera como apropriação indébita os R$ 5,87 descontados da filha de pagamento dos soldados, cabos, sargentos e subtenentes, com o propósito de favorecer as associações que os representam. “O desconto de R$ 18 mensais, é exorbitante, mas pelo menos eles assinaram. Mas esses R$ 5,87, descontados dos salários atrasados, que estão sendo pagos pelo governo em parcelas, eu considero inadmissível”, revelou, acrescentando que se faz necessário melhor esclarecimento da parte das associações, haja vista o grande volume repassado mensalmente após ser descontado do contracheque dos policiais, sem que se saiba em que essas entidades estão aplicando. “As associações não têm sequer um veículo, então devem prestar contas aos associados acerca dos valores recebidos”, argumentou.

Conforme tabela apresentada pelo vereador, referente aos depósitos em favor da Associação de Cabos e Soldados, em 1996 o valor foi de R$ 213.856,99; em 1997, foi de R$ 382.639,01; no ano passado, R$ 366.738,60; e de janeiro a agosto deste ano, o montante foi de R$ 290.733,38, “Resta agora saber em que foram ou estão sendo aplicados”, cobrou.

Fora essas quantias, considerando que são cerca de três mil PMs associados, entre soldados, sargentos, cabos e subtenentes, em um mês são repassados às associações mais de R$ 17 mil, só dos descontos de R$ 5,87.

Fonte: ALTO MADEIRA

Agnaldo 1580 - FISCALIZAÇÃO

26/09/2014

Agnaldo Nepomuceno - Porto Velho/Rondônia