Jovens lideranças apóiam Bianco

01/05/1998 / [14h:30m] - Formou-se em torno de José Bianco um bloco de jovens políticos que impressionam pela garra, determinação e sede de mudanças. Desde Vilhena, onde Cabo João e Wilson Dourado são líderes, passando por Cacoal, Ji-Paraná até chegar em Porto Velho, a capital onde Agnaldo Nepomuceno, um vereador de trinta anos, chama a atenção das lideranças tradicionais pelo carisma junto a estudantes médios e universitários.

Formou-se em torno de José Bianco um bloco de jovens políticos que impressionam pela garra, determinação e sede de mudanças. Desde Vilhena, onde Cabo João e Wilson Dourado são líderes, passando por Cacoal, Ji-Paraná até chegar em Porto Velho, a capital onde Agnaldo Nepomuceno, um vereador de trinta anos, chama a atenção das lideranças tradicionais pelo carisma junto a estudantes médios e universitários.

Nepomuceno conduziu uma pesquisa entre alunos das escolas secundárias da capital e interior. “O resultado foi que, ao contrário do pensamento comum, o jovem de Rondônia é politizado e sabe votar”, revela Nepomuceno, que lançou recentemente um livro autobiográfico, narrando sua infância sofrida no Paraná e a adolescência de luta em Rondônia, onde chegou a vereador e cursa o terceiro ano de Direito.

 

Guajára é mais politizado

A pesquisa ouviu 10.100 alunos em várias cidades do Estado. Os jovens responderam a um questionário com três perguntas. O maior nível de politização foi detectado, segundo Nepomuceno, em Guajará-Mirim. Em seguida, as cidades do interior e depois, Porto Velho.

A juventude rondoniense tem como necessidades básicas, conforme suas próprias respostas, emprego e opção de estudo. “Diante disto, temos como proposta incentivar a instalação de indústrias para gerar emprego e renda à juventude, junto com novos cursos superiores, como Medicina e Engenharia”, diz o vereador.

Viver a dúvida de qual carreira seguir num leque escolar pífio de opções é um dilema comum aos jovens de todos os municípios de Rondônia. O bloco jovem que se juntou às propostas do senador Bianco entende que a mocidade precisa urgentemente de um mercado de trabalho franco e de ensino de qualidade em todos os níveis. “Esperamos que esse pensamento se materialize”, diz o empresário Cristiano Mayo, de apenas 21 anos de idade.

“Devemos colocar o jovem em primeiro lugar. Um mau cidadão na infância e juventude será pior ainda como adulto”, pondera Júnior Bianco, a frente de um grande movimento jovem no interior.

Fonte: INFORMATIVO

Agnaldo 1580 - FISCALIZAÇÃO

26/09/2014

Agnaldo Nepomuceno - Porto Velho/Rondônia